Tributação dos fundos fechados de previdência tem vantagens em relação aos abertos

2019-05-16T14:26:14+00:00 quinta-feira ,09/05/2019|

Planejar corretamente a aposentadoria é a chave para um futuro tranquilo. Para traçar um plano adequado para essa fase da vida, é preciso estar bem orientado sobre o funcionamento da previdência complementar, tanto no que diz respeito a planos fechados quanto a abertos. Em termos tributários, os fundos fechados, como OABPrev-SP, têm alguns atrativos que os diferenciam dos fundos abertos.

Um dos benefícios de um plano como o da OABPrev-SP começa na ausência do chamado imposto “come-cotas”, antecipação do recolhimento de Imposto de Renda de periodicidade semestral que incide sobre fundos de investimentos. Nos planos fechados, o IR é cobrado apenas no resgate, o que dá maior poder de aporte durante o período de acumulação.

Outra vantagem é a possibilidade de o investidor optar entre duas tabelas de Imposto de Renda, uma em que a alíquota aumenta de acordo com o montante acumulado (progressiva) e outra em que a alíquota diminui de acordo com o tempo de aplicação (regressiva).

Em linhas gerais, a alíquota regressiva é mais indicada para aqueles que detêm um bom poder de poupança, pois pode cair de 35% a 10% em 10 anos. Já a progressiva, mais comum, prevê a antecipação de 15% em caso de resgate ou concessão de benefício, e depende do ajuste anual para definir aumentos ou não na contribuição à Receita.

Um regime não é melhor que o outro – devem ser analisadas as peculiaridades do participante na hora da opção, tendo em mente o seu objetivo final, isto é, por quanto tempo ele assumirá o investimento e qual valor pretende acumular ao longo dos anos.

A Mongeral Aegon, responsável pela comercialização do plano de previdência da OABPrev-SP, mantém um time específico e estrategicamente treinado espalhado pelo Brasil, para ajudar o futuro participante a escolher o melhor benefício. É possível solicitar o contato de um consultor via site (www.oabprev-sp.org.br) ou pelos telefones 4002-2416 (capitais e regiões metropolitanas) e 0800 095 2415 (demais localidades).

Independentemente do regime escolhido, o participante tem direito a deduzir suas contribuições em até 12% da sua renda bruta anual, caso faça a declaração de Imposto de Renda pelo formulário completo. Na prática, o investidor posterga esse pagamento para quando for resgatar o montante acumulado.

Melhorias – Apesar de comporem um regime atraente em termos tributários, as entidades fechadas de previdência complementar acreditam ser possível melhor o setor nesse campo. Por isso, uma das demandas é a criação de um plano VGBL (Vida Gerador de Benefício Livre) para o segmento. Nele, o abatimento de 12% na Declaração Anual de Imposto de Renda não existe, porém, na hora do resgate, a tributação incide apenas sobre a rentabilidade do investimento e não sobre o volume total resgatado ou recebido como aposentadoria.

Outro pleito é a alíquota zero para planos ativos por mais de 20 anos. Atualmente, a Lei 11.053/04 impõe regime tributário regressivo de 35% para recursos resgatados em até dois anos e de até 10% para recursos com resgate a partir de 10 anos de contribuição.

Há ainda o pleito de criação de benefícios fiscais para aqueles que declaram o Imposto de Renda pelo modelo simplificado. Hoje só recebe um incentivo fiscal de 12% aquele que faz imposto de renda pelo formulário completo.

Mais Notícias OABPrev

Metade do ano se foi e nesses seis meses a OABPrev-SP atingiu rentabilidade de 4,45%, o equivalente a 144% do CDI (Certificados de Depósito Interbancário), que no mesmo período alcançou 3,07%. De janeiro a junho de 2019, OABPrev-SP também superou com folga os 2,25% de rentabilidade da Poupança [...]

O momento da economia brasileira, com taxa básica de juros a 6,5% (viés de baixa) e inflação abaixo da meta (3,80% ao ano, em julho), tem desafiado as entidades fechadas de previdência complementar, que tradicionalmente priorizam os títulos públicos pelo baixo risco e a boa rentabilidade agregada.  Apesar [...]

O Conselho Nacional de Previdência Complementar (CNPC) realizou sua primeira reunião neste governo no último dia 25 de julho, em Brasília. Em pauta, temas como os desdobramentos da reforma da Previdência, aprovada em primeiro turno na Câmara dos Deputados, a operacionalização das regras do CNJ por plano e [...]

Fale com nosso chat