Rentabilidade dos fundos de pensão no primeiro trimestre foi de 3,14%

2018-07-25T12:01:44+00:00 quarta-feira ,04/07/2018|

A carteira consolidada das Entidades Fechadas de Previdência Complementar – EFPCs teve rentabilidade de 3,14% no primeiro bimestre, segundo dados divulgados pela Associação Brasileira das Entidades Fechadas de Previdência Complementar (Abrapp). O retorno da carteira é superior à do mesmo período de 2017, quando a rentabilidade chegou a 3,00%.

Já os ativos do sistema apresentaram um incremento de 5,93% no período, somando R$ 858 bilhões, ante os R$ 810 bilhões em fevereiro de 2017, e representando 13,1% do PIB.

Em fevereiro 487 planos estavam em dia com as suas metas, representando um superávit equivalente a R$ 24,9 bilhões. Cerca de 180 planos apresentaram déficit, com R$ 27,8 bilhões acumulados, e com destaque positivo para o decréscimo de 17,51% em comparação aos R$ 33,7 bilhões acumulados no final de 2017. De acordo com a Abrapp, a redução do déficit é resultado dos planos de equacionamento que algumas EFPC’s fizeram e a boa rentabilidade auferida nos investimentos.

O levantamento da Abrapp revelou ainda que o sistema registrou 70 mil novos participantes na categoria assistidos, ou seja, que já estão recebendo benefícios. Desta forma, os assistidos chegam a mais de 824 mil, enquanto o número de participantes ativos superou 2,5 milhões.

O valor médio mensal da aposentadoria programada foi de R$ 5.882, segundo o levantamento, enquanto a média da aposentadoria por invalidez foi de R$ 2.369 e o valor das pensões chegou à média de R$ 2.752. (Abrapp)

Mais Notícias OABPrev

Segundo informa a Secretaria da Previdência, ligada ao Ministério da Fazenda, o Regime Geral de Previdência Social registrou em setembro déficit de 31,5 bilhões, resultado de uma arrecadação de 30 bilhões de reais e despesas de 61,5 bilhões de reais. Em agosto, segundo a pasta, o déficit fora [...]

Em reunião no dia 10 de outubro, o Conselho Nacional de Previdência Complementar aprovou resolução que estabelece parâmetros técnico-atuariais para os fundos de pensão. A nova norma aglutina e ajusta duas resoluções do antigo Conselho de Gestão da Previdência Complementar, as de números 18, de 2006, e 26, [...]

Frente ao risco de volatilidade ainda maior na economia brasileira após o pleito do dia 7 de outubro, o Comitê de Investimentos da OABPrev-SP intensificou seus trabalhos. Órgão assessor da Diretoria Executiva, o Comitê é responsável por fornecer subsídios técnicos acerca do cenário econômico capazes de orientar os [...]