Proposta de novo modelo tributário para EFPCs deve estar concluída ainda neste ano

2018-07-12T10:06:52+00:00 terça-feira ,19/06/2018|

Ainda em 2018 deverão estar concluídos os estudos de um novo modelo tributário para a previdência complementar fechada. Quem se mostra otimista quanto à questão é o secretário-adjunto de Políticas de Previdência Complementar do Ministério da Fazenda, José Edson da Cunha Júnior, coordenador da comissão do Conselho Nacional de Previdência Complementar que trata do tema.

      Após a última reunião da comissão, no dia 5 de junho, Cunha Júnior afirmou: “Estamos construindo um novo modelo, examinando tudo ao redor, seja na legislação tributária, seja na previdenciária”. A ideia, segundo o secretário-adjunto, é que se alcance um desenho mais atraente para participantes de planos instituídos e todos os integrantes do sistema que fazem sua declaração anual de Imposto de Renda pelo modelo simplificado.

      Uma das principais demandas das EFPCs nesse campo é pela criação de um plano VGBL (Vida Gerador de Benefício Livre) para o segmento. Outro pleito é a alíquota zero para planos ativos por mais de 20 anos.

      Atualmente, a Lei 11.053/04 (para os participantes de planos de Contribuição Definida) faculta aos participantes, até o último dia do mês subsequente ao da inscrição, a opção por um regime tributário regressivo, assim descrito em seu artigo 1º:

É facultada aos participantes que ingressarem a partir de 1o de janeiro de 2005 em planos de benefícios de caráter previdenciário, estruturados nas modalidades de contribuição definida ou contribuição variável, das entidades de previdência complementar e das sociedades seguradoras, a opção por regime de tributação no qual os valores pagos aos próprios participantes ou aos assistidos, a título de benefícios ou resgates de valores acumulados, sujeitam-se à incidência de imposto de renda na fonte às seguintes alíquotas:

I – 35% (trinta e cinco por cento), para recursos com prazo de acumulação inferior ou igual a 2 (dois) anos;

II – 30% (trinta por cento), para recursos com prazo de acumulação superior a 2 (dois) anos e inferior ou igual a 4 (quatro) anos;

III – 25% (vinte e cinco por cento), para recursos com prazo de acumulação superior a 4 (quatro) anos e inferior ou igual a 6 (seis) anos;

IV – 20% (vinte por cento), para recursos com prazo de acumulação superior a 6 (seis) anos e inferior ou igual a 8 (oito) anos;

V – 15% (quinze por cento), para recursos com prazo de acumulação superior a 8 (oito) anos e inferior ou igual a 10 (dez) anos; e

VI – 10% (dez por cento), para recursos com prazo de acumulação superior a 10 (dez) anos.

Mais Notícias OABPrev

A Previc publicou na última terça-feira (11), no Diário Oficial da União, regras para fortalecer o controle dos registros contábeis das EFPCs. Fabio Coelho, diretor-superintendente do órgão, disse a jornalistas durante o 39º Congresso Brasileiro das Entidades Fechadas de Previdência Complementar), em Florianópolis,  que o objetivo é o [...]

Luís Eduardo Afonso propõe “milhagem” para aposentadoria e exalta papel dos fundos de pensão “Precisamos equacionar as finanças públicas. Sem isso não se constroem as bases do crescimento sustentável da nossa economia. E, neste momento, equacionar as finanças públicas significa fazer a reforma da Previdência Social”. A afirmação [...]

O setor da previdência complementar fechada, que já conta com base legal abrangente, avança no campo da governança ao buscar a elaboração e a implantação de regras de gestão que garantam ainda mais segurança aos participantes. Nesse sentido, a Previc (Superintendência Nacional de Previdência Complementar) finaliza uma resolução [...]