Pesquisa do Banco Mundial mostra que o brasileiro não pensa no futuro

2018-07-31T12:16:09+00:00 quarta-feira ,04/07/2018|

A “Folha de S. Paulo” publicou reportagem no último dia 2 julho comprovando o que os gestores da previdência complementar vêm dizendo há tempos: o brasileiro não pensa no futuro. O alerta soa alto quando uma pesquisa do Banco Mundial revela que apenas 6% dos brasileiros com idade entre 15 e 24 anos guardaram algum dinheiro em 2017 pensando na velhice. Considerando-se todas as faixas etárias, o índice sobre para 11%, o que põe o Brasil na 101ª posição entre 144 países no quesito poupança individual, atrás de nações mais pobres, como Filipinas (26%), Bolívia (20%) e Mali (16%), e abaixo da média dos países em desenvolvimento (16%). O Banco Mundial ouviu 150 mil pessoas, mil das quais no Brasil.

A taxa de poupança brasileira subiu 4% em relação à sondagem anterior, feita em 2014, elevação que não muda nossa face de maus poupadores. Segundo a “Folha de S. Paulo”, a própria crise econômica pode ser a responsável pelo pequeno crescimento da poupança. “Se o emprego está em risco ou há muita incerteza sobre o futuro, aumenta a chamada poupança precaucionaria”, disse ao jornal o professor do Insper Ricardo Brito.

“A poupança para a velhice continua perturbadoramente baixa no Brasil, principalmente levando em conta o nível de desenvolvimento econômico e financeiro do país”, afirmou Leora Klapper, economista sênior do Banco Mundial. O especialista em previdência José Roberto Affonso, professor do IDP e pesquisador do Ibre/FGV, advertiu que “na era digital, parcela crescente dos que trabalham hoje não terá emprego com carteira assinada e previdência social”.

Affonso baseia-se em outra pesquisa do Banco Central, esta publicada em janeiro último, pela qual só 1,9% da população brasileira investe em previdência privada.

Uma terceira pesquisa, encomendada pela FenaPrevi (Federação Nacional de Previdência Privada e Vida) ao Instituto Ipsos, realizada perante 1.200 pessoas de 16 a 60 anos em 72 municípios brasileiros, durante o último mês de abril, verificou que metade dos brasileiros pretende se aposentar até os 64 anos, mas 48% deles não têm ideia de qual será o valor da aposentadoria a receber.

Na esfera das entidades fechadas de previdência complementar, a percepção de que o brasileiro não tem o perfil do poupador tem gerado iniciativas no sentido da educação previdenciária e financeira. Desde 2008, os fundos de pensão têm sido incentivados pelos órgãos reguladores a desenvolverem programas educativos para que seu público compreenda os planos de benefícios e tome decisões conscientes ao longo da vida.

Bom exemplo é o da OABPrev-SP. O fundo da advocacia criou junto com a Icatu Seguros (que gere os investimentos do fundo dos advogados) e a Fundação Getúlio Vargas uma série de cursos online gratuitos que ensinam como organizar a vida financeira de modo simples e didático.

Mais Notícias OABPrev

A Previc publicou na última terça-feira (11), no Diário Oficial da União, regras para fortalecer o controle dos registros contábeis das EFPCs. Fabio Coelho, diretor-superintendente do órgão, disse a jornalistas durante o 39º Congresso Brasileiro das Entidades Fechadas de Previdência Complementar), em Florianópolis,  que o objetivo é o [...]

Luís Eduardo Afonso propõe “milhagem” para aposentadoria e exalta papel dos fundos de pensão “Precisamos equacionar as finanças públicas. Sem isso não se constroem as bases do crescimento sustentável da nossa economia. E, neste momento, equacionar as finanças públicas significa fazer a reforma da Previdência Social”. A afirmação [...]

O setor da previdência complementar fechada, que já conta com base legal abrangente, avança no campo da governança ao buscar a elaboração e a implantação de regras de gestão que garantam ainda mais segurança aos participantes. Nesse sentido, a Previc (Superintendência Nacional de Previdência Complementar) finaliza uma resolução [...]