OABPrev-SP está atenta às projeções de queda do PIB e possível baixa da Selic

2019-07-03T18:01:30+00:00 quarta-feira ,05/06/2019|

O mercado financeiro revisou mais uma vez para baixo as expectativas do PIB e também da Selic em 2019. O resultado mais recente do boletim Focus, publicação semanal elaborada pelo Banco Central com base nas perspectivas das instituições financeiras, mostrou que a estimativa de avanço do Produto Interno Bruto brasileiro está agora em 1,13% no ano, ante os 2% previstos no início de 2019. Aumentaram também as apostas de que o Comitê de Política Monetária (Copom) possa cortar a Selic, hoje em 6,50%.

“Antevimos que, dada a ancoragem das expectativas de inflação, a fraqueza da atividade traria à tona a discussão quanto à queda da taxa Selic, e alocamos nossos portfólios para beneficiarem-se deste cenário”, afirma Bruno Horovitz, sócio da Icatu Vanguarda, empresa parceria da OABPrev-SP na gestão de investimentos.

Ele não aposta que o Banco Central corte neste momento a taxa básica de juros, mas não descarta mudanças no futuro. “Acreditamos que o Banco Central deve ser e será cauteloso, considerando eventuais cortes Selic somente após a aprovação da reforma da Previdência na Câmara dos Deputados, preservando sua credibilidade e mantendo ancoradas as expectativas de inflação”, prevê.

Horovitz lembra que o cenário atual é de juros baixos em todo o mundo e que o Brasil tem aproveitado para convergir a sua taxa de juros para os padrões internacionais de forma sustentável.

Esse cenário, contudo, é algo recente para o investidor brasileiro, que sempre preferiu os títulos públicos, especialmente os indexados à Selic e à inflação (IPCA). Dados da Abrapp mostram que em 2017, do total dos 804,8 bilhões de reais alocados pelos fundos de pensão brasileiros no mercado, 73,6% estavam justamente na renda fixa. Enquanto isso, a renda variável representa apenas 17,7% dos investimentos, ante 32,5% de sete anos atrás.

“É necessária maior diversificação de estratégias, buscando investimentos um pouco mais voláteis, mas que entregam rentabilidades superiores a renda fixa tradicional”, responde Horovitz.

O desafio, no caso de fundos de pensão como a OABPrev-SP, está em construir essa carteira estratégica, que compense a perda de rentabilidade nos títulos públicos, mas com o menor aumento de risco possível, mantendo-se o trinômio liquidez, rentabilidade e segurança, que tem sido a base da entidade.

Assim, títulos de crédito privado, fundos multimercados, a classe de dividendos e fundos de ações mais acautelados estão no foco.

“Tão importante quanto o portfólio em si é a consciência de que ativos mais voláteis demandam prazos de investimento mais longos”, salienta Horovitz.

Mais Notícias OABPrev

Metade do ano se foi e nesses seis meses a OABPrev-SP atingiu rentabilidade de 4,45%, o equivalente a 144% do CDI (Certificados de Depósito Interbancário), que no mesmo período alcançou 3,07%. De janeiro a junho de 2019, OABPrev-SP também superou com folga os 2,25% de rentabilidade da Poupança [...]

O momento da economia brasileira, com taxa básica de juros a 6,5% (viés de baixa) e inflação abaixo da meta (3,80% ao ano, em julho), tem desafiado as entidades fechadas de previdência complementar, que tradicionalmente priorizam os títulos públicos pelo baixo risco e a boa rentabilidade agregada.  Apesar [...]

O Conselho Nacional de Previdência Complementar (CNPC) realizou sua primeira reunião neste governo no último dia 25 de julho, em Brasília. Em pauta, temas como os desdobramentos da reforma da Previdência, aprovada em primeiro turno na Câmara dos Deputados, a operacionalização das regras do CNJ por plano e [...]

Fale com nosso chat