Hora de ver quem de fato é bom gestor, diz professora do Insper

2019-08-21T14:34:31+00:00 quarta-feira ,31/07/2019|

O momento da economia brasileira, com taxa básica de juros a 6,5% (viés de baixa) e inflação abaixo da meta (3,80% ao ano, em julho), tem desafiado as entidades fechadas de previdência complementar, que tradicionalmente priorizam os títulos públicos pelo baixo risco e a boa rentabilidade agregada.  Apesar de exigir dos fundos mudanças nos investimentos, a nova cena econômica não é ruim. Quem afirma é a coordenadora do curso de Economia do Insper, Juliana Inhasz (foto). Ao OABPrev Notícias ela disse ser em momentos como este que a eficiência dos gestores pode ser comprovada.

“Está claro que quem quiser ganhar mais precisará arriscar mais. E é natural, mesmo em fundos previdenciários, que se busque essa rentabilidade em produtos mais variáveis. Porém, essa busca deve estar aliada à sua natureza, que, lembremos, é de longo prazo e de minimização de riscos. Fundos sérios sabem que esse momento não significa uma corrida onde os fins justifiquem os meios”, explica economista.

Segundo Juliana Inhasz, tendem a sair-se melhor em períodos como este as instituições idôneas, possuidoras de experiência e solidez. “Quanto maior é o tempo de vida de um fundo, melhor é a sua percepção de mercado e maior a consolidação dos valores éticos que o norteiam”, salienta.

A tarefa para a previdência complementar, portanto, é construir uma carteira estratégica que compense a perda de rentabilidade nos títulos públicos, mas com o menor aumento de risco possível. O que, no caso da OABPrev-SP, significar manter o trinômio liquidez, rentabilidade e segurança, base da entidade desde sua criação, há 13 anos.

A legislação que rege os planos de previdência complementar no Brasil avançou muito nos últimos anos, implantando regras de gestão que garantem segurança aos participantes. Em 2018, por exemplo, com o objetivo de aprimoramento da governança das EFPCs, a Previc (Superintendência Nacional de Previdência Complementar) publicou uma série de normas às quais os fundos de pensão tiveram que se adequar.

De maneira espontânea, a OABPrev-SP revisou em 2018 seus processos para se manter em consonância com o Código de Autorregulação em Governança de Investimentos criado pela Abrapp (Associação Brasileira das Entidades Fechadas de Previdência Complementar), o Sindapp (Sindicato Nacional das Entidades Fechadas de Previdência Complementar) e o ICSS (Instituto de Certificação Institucional e dos Profissionais de Seguridade Social), documento que estabelece princípios e obrigações que devem nortear a gestão dos investimentos das EFPCs e que não estão previstos na legislação.

O fundo da advocacia mantém também um Comitê de Investimentos, grupo técnico facultativo em instituições desse tipo, mas que é responsável por fornecer subsídios acerca do cenário econômico capazes de orientar os administradores na busca dos objetivos traçados pela política de investimentos da entidade.

Foto: Insper

Mais Notícias OABPrev

Metade do ano se foi e nesses seis meses a OABPrev-SP atingiu rentabilidade de 4,45%, o equivalente a 144% do CDI (Certificados de Depósito Interbancário), que no mesmo período alcançou 3,07%. De janeiro a junho de 2019, OABPrev-SP também superou com folga os 2,25% de rentabilidade da Poupança [...]

O momento da economia brasileira, com taxa básica de juros a 6,5% (viés de baixa) e inflação abaixo da meta (3,80% ao ano, em julho), tem desafiado as entidades fechadas de previdência complementar, que tradicionalmente priorizam os títulos públicos pelo baixo risco e a boa rentabilidade agregada.  Apesar [...]

O Conselho Nacional de Previdência Complementar (CNPC) realizou sua primeira reunião neste governo no último dia 25 de julho, em Brasília. Em pauta, temas como os desdobramentos da reforma da Previdência, aprovada em primeiro turno na Câmara dos Deputados, a operacionalização das regras do CNJ por plano e [...]

Fale com nosso chat